Back to news

O trabalho da Axon AI: O que vem pela frente

Publicado em

A inteligência artificial (AI) é um tópico importante da tecnologia e tem o potencial de impactar fortemente as forças de segurança.Manchetes recentes destacaram essas oportunidades e os riscos que as acompanham.Gostaríamos de guiá-lo pelo mapa de AI da Axon e pelos passos que estamos dando para implementar essa tecnologia com responsabilidade.

Pensando em voz alta

Nossa função na segurança pública se baseia em inovação. Estamos sempre olhando para o futuro. Antes mesmo que as pessoas começassem a trabalhar com Inteligência Artificial, a Axon já se perguntava em voz alta como ela poderia influenciar seus clientes durante anos. No passado, cogitamos diversas hipóteses sobre como a Inteligência Artificial poderia ser aplicada às autoridades em entrevistas e comunicados internos. Muitas pessoas, incluindo clientes e o público, nos questionaram sobre hipóteses quando se trata de reconhecimento facial e policiamento preditivo, uma vez que a sociedade como um todo não considerou essas questões a fundo. Isso não significa que estamos desenvolvendo, ou que algum dia vamos desenvolver tais coisas.

Da especulação à realidade

Após adquirir em fevereiro duas equipes de pesquisa de aprendizagem de máquina, a Dextro e a Misfit, a Axon tem pela primeira vez a possibilidade de criar Inteligência Artificial de última geração e está em uma posição exclusiva para utilizar a Inteligência Artificial para o bem público. Levamos essa responsabilidade a sério. A equipe alterou o foco de conjecturas generalistas para um planejamento efetivo focado em resolver problemas reais no setor de segurança pública.

Agora que temos um esforço formal estabelecido, estamos rompendo de fato com as conjecturas anteriores em torno da Inteligência Artificial e nos concentrando no novo planejamento criado pelas equipes da Dextro e Misfit: focado em eliminar a papelada e automatizar fluxos de trabalho administrativos entediantes, como redação.

Desde a sua formação em fevereiro, a equipe esteve focada em redefinir nossa visão e as diretrizes de ética para o caminho adiante. Reconhecemos todas as complexidades e sensibilidades relacionadas à tecnologia na aplicação da lei e estamos comprometidos em resolvê-las da maneira certa. Levamos a privacidade extremamente a sério e, portanto, jamais lançaríamos um produto com problemas de privacidade não resolvidos para os agentes em missão ou cidadãos comuns. Para isso, estamos concluindo um Conselho de Ética de Inteligência Artificial público e totalmente independente para nos orientar. Nas próximas semanas, anunciaremos os membros do Conselho, composto por pensadores renomados nas áreas de direitos civis, privacidade de dados, ética de Inteligência Artificial e a comunidade. Depois, vamos trabalhar junto a eles em um conjunto de princípios orientadores de Inteligência Artificial e publicar os resultados.

Nosso foco: Fluxos de trabalho, não decisões

Mesmo antes de reunirmos o conselho de ética e definirmos esses princípios orientadores, estamos comprometidos em acelerar os fluxos de trabalho enfadonhos e deixar a tomada de decisões a cargo dos oficiais e agências. Um exemplo de fluxo de trabalho que podemos tratar é acelerar a análise das filmagens por parte do supervisor. Um exemplo de decisão que está além do nosso escopo é determinar a ocorrência ou não de crimes.

Com isso em mente, estamos concentrando nossa iniciativa de Inteligência Artificial em um dos desafios mais formidáveis da aplicação da lei: Vamos eliminar a papelada do trabalho em campo e triplicar o tempo que os oficiais podem utilizar para servir às suas comunidades. Para atingir essa meta, estas são as três áreas de investimento que você pode esperar por parte dos nossos pesquisadores:

  1. Redação automatizada para acelerar o processo de compartilhamento de filmagens com o público e, ao mesmo tempo, proteger a privacidade dos cidadãos captados em vídeo.
  2. Transcrição automatizada para eliminar as anotações escritas à mão, de modo que os oficiais possam se envolver e ser solidários com a comunidade.
  3. Geração de relatórios automatizada para preencher registros factuais diretamente a partir de vídeos e áudios, para que os oficiais possam utilizar o tempo para servir à comunidade.

Estamos focados em automatizar tarefas que consomem o tempo dos oficiais da lei. A Axon não quer um mundo em que os servidores públicos sejam robóticos. Na verdade, desejamos o contrário: ao remover o peso das anotações manuais e das horas intermináveis de digitação, os representantes podem estar presentes, desenvolver relacionamentos e ser mais humanos. Queremos que nossa tecnologia possibilite relações mais pessoais para desenvolver comunidades mais sólidas e seguras.

Rick Smith
CEO e Fundador da Axon