Retornar a notícias

Escolha a rede, não uma câmera

Publicado em

Como as agências podem enxergar além do armazenamento de evidências e escolher uma rede que comporte automação e policiamento mais inteligente

Vamos falar sobre o que você realmente adquire quando compra câmeras acopladas ao corpo. De um certo modo, as agências que adotam essa tecnologia relativamente nova não estão apenas comprando novos dispositivos para seus agentes, mas pagando o sinal do futuro tecnológico de suas agências. Não importa o que venha a seguir, as operações do dia a dia nunca serão as mesmas para uma agência que acaba de dar as boas-vindas ao valor incalculável de muitos terabytes de novos tipos de evidência. Novas tarefas administrativas terão de ser desempenhadas pelos agentes, haverá novos tipos de colaboração com os promotores e o dia-a-dia do policiamento certamente sofrerá uma mudança, assim como as métricas de desempenho pelas quais um policiamento eficaz é julgado.

Para os departamentos, no entanto, esse período de mudança pode ser uma grande oportunidade — uma chance de automatizar fluxos de trabalho, reduzir papeis e adotar uma plataforma interoperável que ajudará a definir uma era de policiamento mais inteligente.

Para colher os benefícios desta nova tecnologia, no entanto, as agências precisam se certificar de escolher a plataforma certa. Adotar um sistema de armazenamento em nuvem para áudio e vídeo de câmeras acoplada ao corpo não é suficiente. Uma plataforma de gerenciamento de evidências digitais completa precisa abranger não apenas câmeras, aplicativos e serviços (como o suporte ao cliente 24 horas por dia, 7 dias da semana, 365 dias por ano, do Evidence.com), mas precisa conectar essas tecnologias entre si e com outros sistemas, como bancos de dados CAD/RMS. Essa conectividade redefinirá a forma como os agentes interagem com dispositivos e aplicativos na sua rotina diária.

Qualquer pessoa que apresente uma solução em nuvem basicamente como um simples método de armazenamento, em vez de uma ferramenta de automação, corre o risco de diluir o valor da revolução da evidência digital resultante do uso de câmeras acopladas ao corpo e outras tecnologias. Por outro lado, uma plataforma de gerenciamento de evidências digitais mais robusta pode economizar tempo e dinheiro ao integrar as filmagens de câmeras acopladas ao corpo em um fluxo de trabalho maior, mais eficiente e mais automatizado.

Mas que abordagem a agência deve adotar ao escolher uma plataforma? Três coisas a considerar:

1 Pense a longo prazo

Se o índice atual de mudança na tecnologia de segurança pública (que tem presenciado um influxo de inovações nos últimos anos, de câmeras acopladas ao corpo a aplicativos móveis) for um indicativo, as coisas podem se tornar muito diferentes em poucos anos. A sua tecnologia precisa refletir esse fato, sendo adaptável e adequada a formas cada vez mais novas de fazer negócios. Pense em sua plataforma como o investimento mais significativo que você pode fazer para o sucesso da sua agência a longo prazo. Como exemplo, a previsão da Axon para os próximos anos é que o processo de preencher papeis à mão começará a desaparecer do universo das forças de segurança, juntamente com muitas outras monótonas tarefas manuais — a solução que você escolher vai lhe atender bem nesse tipo de ambiente?

A rede Axon já está adotando medidas específicas para garantir que todas as formas de evidência digital possam ser trabalhadas continuamente em fluxos de trabalho automatizados. Fotos, vídeos de câmeras acopladas ao corpo, vídeos da sala de interrogação, filmagens CCTV e outras formas de evidência digital já estão integradas em um banco de dados hospedado em nuvem, preparado para o futuro, onde podem ser devidamente marcadas, anotadas e gerenciadas. Os dados dos usuários não correm mais o risco de se tornar obsoletos ou incompatíveis quando novos computadores e novas tecnologias surgirem, sem mencionar a facilidade com que eles podem ser integrados com software de terceiros, partindo de sistemas CAD/RMS até serviços de transcrição sob demanda.

Na mesma linha, a rede Axon vem com ferramentas automatizadas de edição de vídeo, que economizam tempo e dinheiro quando se trata de responder às solicitações da FOIA (Lei de Liberdade da Informação) — uma métrica importante de desempenho para uma tarefa que provavelmente se tornará mais comum à medida que os vídeos acoplados ao corpo forem se difundindo. Uma plataforma que não pode oferecer esse tipo de automação ou a interoperabilidade mostrada acima não conseguirá atender às necessidades do gerenciamento de casos de rápida evolução das agências. Nesse sentido, nem todas as soluções em nuvem são criadas da mesma forma.

2 Pense da captação ao tribunal

As câmeras acopladas ao corpo foram promovidas pelo seu potencial de fornecer evidências novas e valiosas em processos criminais, levando a um aumento dos índices de acusação e a um sistema de justiça mais eficiente em geral. Mas, quando uma agência compra câmeras acopladas ao corpo para os seus agentes, esses benefícios não vigoram automaticamente só pelo fato de as câmeras estarem funcionando. A filmagem feita pelas câmeras acopladas ao corpo em si é crucial para o policiamento moderno, mas é incapaz de efetivar a mudança por conta própria.

Com uma plataforma que não se integra com sistemas maiores e não automatiza tarefas cruciais, o envio de evidências do seu escritório para a promotoria pode se tornar uma tarefa hercúlea. Seria necessário que os promotores hospedassem um dispendioso software proprietário com seus próprios recursos apenas para armazenar e gerenciar os arquivos de vídeo em formato aberto que foram compartilhados por links. Além da necessidade de uma infraestrutura pesada, os promotores teriam que lidar com outros obstáculos quando chegasse a hora de editar ou preparar os vídeos, além de as cadeias de custódia se tornarem cada vez mais difíceis de serem mantidas. Isso resultaria de modo geral em uma promotoria mais lenta, envolvendo muitas horas desnecessárias de trabalho administrativo.

Diferentemente dessas outras ofertas, o Evidence.com esbanja interoperabilidade com o Evidence.com para Promotores, permitindo que os promotores assistam aos vídeos no Evidence.com sem custo algum e sem a necessidade de investir na dispendiosa infraestrutura digital. A rede oferece aos promotores todas as ferramentas de que precisam para visualização, edição e transcrição, tudo sem custos acessórios. A cadeia de custódia e todos os metadados são rigorosamente mantidos, mesmo se os usuários da agência decidirem exportar parte de um vídeo para uma ferramenta de terceiros. Desta forma, uma plataforma robusta pode verdadeiramente melhorar a colaboração e as parcerias entre a polícia e os promotores, garantindo que os usuários tirem o máximo proveito das filmagens feitas pelas câmeras acopladas ao corpo e de outras formas de evidências em cada etapa do caminho.

3 Entenda as limitações

Assim como as câmeras por si só não resolvem todos os problemas de uma agência num passe de mágica, nem mesmo as melhores plataformas são uma panaceia. O segredo é saber o que cada plataforma pode e não pode fazer. Uma plataforma como a da Axon, por exemplo, pode reduzir substancialmente o tempo que os agentes passam atrás de uma mesa pela automatização de uma variedade de tarefas, desde a edição, passando pelo gerenciamento de casos e muito mais. O resultado é um fluxo de trabalho muito mais eficiente em geral, o que leva a economia de dinheiro e policiamento mais inteligente.

Ao considerar o escopo de uma plataforma, vale também considerar que a sua gama completa de recursos pode não ser tão óbvia. Por exemplo, a rede Axon oferece integração CAD/RMS e um serviço de transcrição de áudio e vídeo de terceiros sob demanda, além de armazenamento e gerenciamento de evidências digitais. E, claro, a rede inclui não apenas software, como também hardware (de câmeras acopladas ao corpo às respectivas montagens — objetos cuja durabilidade é crucial e não deve ser ignorada), garantias/upgrades de hardware e serviços profissionais como monitoramento de segurança e suporte ao cliente.

É difícil prever o futuro. A única coisa de que podemos ter certeza é que a tecnologia continuará a avançar e o segmento policial continuará evoluindo de novas maneiras. Claro, as câmeras acopladas ao corpo, como tecnologia, agora existem e vieram para ficar, mas elas não conseguem abranger toda a evolução tecnológica que surge só de falarmos. As agências que estão tomando decisões sobre o futuro da sua tecnologia precisam ter isso em mente ao pensar sobre o seu crescimento a longo prazo, a amplitude do ciclo de vida de suas evidências e as limitações de qualquer produto de tecnologia. É fundamental enxergar além do simples armazenamento de evidências digitais frente a um futuro que será definido por uma maior automação e fluxos de trabalho mais eficientes. Preparar-se para uma nova realidade definida por uma constante evolução tecnológica. Em suma, escolher uma rede, não apenas uma câmera ou método de armazenamento.