Até que ponto as armas TASER são seguras?

As armas inteligentes TASER ajudam a proteger a vida. São as armas mais seguras e eficazes que já desenvolvemos, que oferecem recursos avançados, como o arco de advertência do TASER X2, medição de carga e muito mais.

Quando desenvolvemos a arma inteligente TASER, nossos engenheiros tinham três coisas em mente: segurança, responsabilização e desempenho. Diferentemente de seus antecessores, nossas armas inteligentes são construídas em uma plataforma totalmente digital. Elas têm a capacidade de regular a saída da carga, executar verificações de integridade, atualizar o firmware pela web e fornecer análises mostrando como e quando o dispositivo é usado por uma pessoa.

Análises e dados aprimorados

A tecnologia de nossas armas inteligentes apresentam análises e dados aprimorados, permitindo que você obtenha a verdade do que aconteceu em uma ocorrência. Através do Evidence.com, você pode visualizar diversos detalhes e dados de como as armas inteligentes foram usadas com esses importantes registros:

  • Registro de eventos: salva todas as ações do usuário para seus registros, incluindo ativação de segurança e duração de evento de disparo, com hora, data e carga da bateria.
  • Log de Pulsos: exibe o registro da saída do dispositivo, pulso a pulso.

Confiança no tribunal

Fui chamado para ser uma testemunha especialista em um caso no qual um sujeito violento e entorpecido por drogas foi contido com um TASER X2. O sujeito apresentou a intenção de processar por uso excessivo da força. Ao passo que, no tribunal, os registros de disparo do TASER X2 foram apresentados como evidência, corroborando os relatos dos subdelegados e ajudando a evitar que fosse implantada uma ação judicial.

Kevin Sailor, DP de Westminster


Pesquisa e Segurança

Os números contam a história, os produtos TASER salvam vidas, evitam ferimentos, reduzem os litígios e economizam muito dinheiro para as agências. Mais de 700 análises confirmaram a segurança e o valor da tecnologia TASER para salvar vidas, como uma maneira mais segura e mais eficaz do uso da força.

Visualizar todos os 700 relatóriosVisualizar a descrição da pesquisa dobre DECs


Salvando Vidas

As armas TASER existem para salvar vidas. Os agentes das forças de segurança dependem de suas armas para proteger vidas e continuamos a inovar, liderando o mundo em tecnologia de armas eletrônicas. Nossas armas inteligentes visam especificamente os nervos motores que controlam os movimentos, o que aumenta a eficácia da imobilização reduzindo os danos, uma alternativa muito superior ao uso de armas de fogo em muitos contextos.

Download do estudo


Estudos selecionados

Wake Forest

Um estudo do Wake Forest University Baptist Medical Center financiado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos constatou que 99,75% dos 1.201 usos em campo de armas TASER em um amplo espectro de influências de drogas e álcool, faixas etárias e etnias não resultaram em nenhum ferimento significativo, demonstrando que o dispositivo TASER é a opção de uso de força intermediária mais segura para a força policial.

Estudo de Houston

Em um estudo longitudinal, o Departamento de Polícia de Houston concluiu que os dispositivos TASER ajudaram a reduzir as queixas dos funcionários em 93%. O uso de instrumentos alternativos ao uso da força reduziu os ferimentos em suspeitos em até 60%.

MacDonald, et al. em American Journal of Public Health

Em um estudo revisado por pares publicado pelo American Journal of Public Health, MacDonald, Kaminski e Smith examinam armas pouco letais, inclusive dispositivos eletrônicos de controle. Ao analisar dados de 24.380 casos de uso de força de 12 departamentos de polícia envolvendo ferimentos de agentes ou civis, o estudo revelou que ”a chance de ferimentos a civis e agentes foi significativamente menor quando a polícia usou armas DEC”. No geral, o estudo concluiu que, quando as agências de forças de segurança empregam, com responsabilidade, armas pouco letais no lugar de força física, pode haver uma redução drástica de ferimentos.


Ferdik, et al. em Police Quarterly

Ao utilizar dados de uma amostra representativa das agências de forças de segurança americanas, este estudo independente do Police Quarterly mostra que “políticas menos restritivas quanto ao uso de DECs estão associadas a um maior uso de DECs e menos tiros fatais pela polícia”. Os resultados mostram que as polícias das agências que permitiam um uso mais amplo dos DECs foram “associadas substancial e significativamente a uma diminuição no número de tiros fatais pela polícia”.


Departamento de Justiça dos Estados Unidos

Em um estudo de 5 anos sobre a segurança do TASER conduzido pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, “um comitê de especialistas médicos concluiu que o uso de dispositivos de energia de controle por parte de policiais em adultos saudáveis não representa um risco elevado de morte ou ferimento grave”.

Ao comparar registros de mais de 24.000 conflitos com uso de força por parte de 12 agências diferentes, outro estudo do Departamento de Justiça constatou que o risco de ferimentos para suspeitos capturados com armas da marca TASER caiu em mais de 60% em comparação ao risco para suspeitos capturados sem o uso dos dispositivos, em situações nas quais as outras condições eram semelhantes.


Police Executive Research Foundation

Um estudo da Police Executive Research Foundation (PERF) constatou que os DECs levaram a uma menor incidência de ferimentos para os oficiais e menor incidência de ferimentos para os suspeitos. O uso de DECs TASER estiveram associados a uma redução de 76% nas chances de um oficial ser ferido em comparação a agências que não utilizam DECs, e as chances de um suspeito sofrer ferimentos foram reduzidas em mais de 40% em agências que utilizam DECs TASER em comparação a agências que não os utilizam.


The American Medical Association

A American Medical Association avaliou que os dispositivos TASER são uma “ferramenta segura e eficiente” que “podem salvar vidas durante intervenções” quando utilizadas corretamente.


Referências

  1. Eastman AL, Metzger JC, Pepe PE, et al. Conductive electrical devices: a prospective, population-based study of the medical safety of law enforcement use. The Journal of trauma. 2008;64(6):1567-1572.
  2. Ferdik FV, Kaminski RJ, Cooney MD, Sevigny EL. A influência das políticas da agência sobre o uso de dispositivos de energia de controle e o uso de força letal pela polícia. Police Quarterly. 2014;17:328-358.
  3. Goudge S. The health effects of conducted energy weapons: The Expert Panel on the Medical and Physiological Impacts of Conducted Energy Weapons. Council of Canadian Academies, 2013 on #6
  4. Kroll MW, Fish RM, Lakkireddy D, Luceri RM, Panescu D. Essentials of low-power electrocution: established and speculated mechanisms. IEEE EMBC Conference Proceedings. 2012;2012:5734-5740.
  5. Kroll MW, Lakkireddy DR, Stone JR, Luceri RM. TASER electronic control devices and cardiac arrests: coincidental or causal?Circulation. 2014;129(1):93-100.
  6. Kroll MW, Lakkireddy DR, Stone JR, Luceri RM. TASER electronic control devices and cardiac arrests: coincidental or causal? Supplement. Circulation. 2014;129(1):On Line Supplement.
  7. MacDonald JM, Kaminski RJ, Smith MR. O efeito de armas pouco letais em ferimentos em casos de uso de força policial.American Journal of Public Health. 2009;99(12):2268-2274.
  8. McDaniel WC, Stratbucker RA, Nerheim M, Brewer JE. Cardiac safety of neuromuscular incapacitating defensive devices. Pacing and Clinical Electrophysiology: PACE. 2005;28 Suppl 1:S284-287.
  9. Nanthakumar K, Billingsley IM, Masse S, et al. Cardiac electrophysiological consequences of neuromuscular incapacitating device discharges. Journal of the American College of Cardiology. 2006;48(4):798-804.
  10. Valentino DJ, Walter RJ, Dennis AJ, et al. Taser X26 discharges in swine: ventricular rhythm capture is dependent on discharge vector. The Journal of Trauma. 2008;65(6):1478-1485; discussion 1485-1477.
  11. Walcott GP, Kroll MW, Ideker RE. Ventricular fibrillation: are swine a sensitive species?J Interv Card Electrophysiol. 2015 Mar;42(2):83-9. doi: 10.1007/s10840-014-9964-1. Epub 2015 Jan 16.